Conheça mais sobre Melancia

Nome

O nome científico da melancia é Citrullus lanatus, e é uma planta da família

cucurbitácea.

Origem

A melancia é originária da África, presume-se que do deserto de Kalahari,

embora, na Índia, seja encontrada uma grande diversidade dessa espécie, o

que acabou gerando uma controvérsia sobre sua real origem. O primeiro

registro de colheita de melancia se deu há cerca de 5.000 anos, no Egito, como

descrevem hieróglifos encontrados nas paredes de suas construções remotas.

No antigo Egito, melancias eram colocadas nos túmulos dos reis para alimentá-

los na “vida” após a morte. Partindo do Egito, a melancia se espalhou por todos

os países ao longo do Mar Mediterrâneo, levada por navios mercantes.

São conhecidas quase 300 variedades de melancias, mas são 50 as

variedades mais populares. Basicamente, são cinco os tipos de melancia: com

semente, sem semente, mini (ou melancia baby), amarela e vermelha.

Propriedades nutricionais

A melancia é rica em vitaminas: A, C, B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B6, B12,

niacina, ácido fólico e biotina. A pigmentação vermelha da polpa da melancia é

conferida pelo licopeno, um caroteno com elevada atividade antioxidante. Na

polpa amarela, a cor é conferida por betacaroteno (pró-vitamina A) e por

xantofilas.

As sementes são muito consumidas em diversas regiões da Ásia. Na Índia, faz-

se pão de farinha de semente de melancia; no Médio Oriente, comem-se as

sementes assadas. Além da fruta ao natural, a melancia também é consumida

como suco, drinks, geleias, doces, molhos e saladas. Na Rússia meridional,

uma cerveja tem suco de melancia como ingrediente.

Nos Estados Unidos, costuma-se fazer picles com a casca da melancia. Outra

variação é fazer doce com a parte branca, que se prepara da mesma forma

que o doce de mamão verde.

Propriedades medicinais

As sementes são ricas em lípidos e são utilizadas em algumas regiões do país

no preparo de uma bebida diurética e vermífuga, denominada orchata.

Também podem ser torradas e aplicadas sobre qualquer ferida para acalmar a

dor.

Possui excelentes propriedades diuréticas, e por isso, é recomendada aos que

tem problemas renais, em dietas de emagrecimento e para pressão alta,

reumatismo ou gota.

O suco de melancia provoca eliminação de ácido úrico, além de limpar o

estômago e o intestino. Também é eficaz no tratamento da acidez estomacal,

obesidade, bronquites crônicas, problemas de boca e garganta – com um

pouco de mel e limão, pode ser usado contra resfriados, catarros, excesso de

bilis e gosto amargo da boca. Além disso, protege contra o câncer e a oxidação

celular.

Para curar erisipela, aplique uma pasta feita com polpa e casca de melancia

trituradas. Para combater a febre, tome suco de melancia ou coloque fatias da

fruta sobre a barriga. A parte comestível contém apenas 6% de açúcar e 93%

de água, o que faz a melancia ser um eficiente refrescante do sangue. Mas,

justamente por seu alto teor de água, deve ser comida antes ou no intervalo

das refeições e, nunca, após, pois pode tornar a digestão mais lenta. Por

conter o aminoácido citrulina, deve ser evitada pelas pessoas que possuem

artrite reumatoide e uma doença genética chamada citrulinemia.

Curiosidades

92% da melancia é água.

A melancia é uma erva trepadeira e rastejante.

A farmacopeia marroquina tradicional, os nômades e as pessoas do campo

sabem empiricamente que para refrescar uma melancia, tem que cortá-la em

duas partes e expô-las ao sol. O éter que se evapora esfria a melancia.

Fontes:

http://www.melancia.com.br/origem.php

http://belezadacaatinga.blogspot.com.br/2012/12/melancia-citrullus-lanatus.html

Deixe uma resposta